quinta-feira, 28 de abril de 2011

Dia das Mães



        POEMAS


Também designado de Dia da Mãe teve a sua origem no princípio do século XX, quando uma jovem norte-americana, Anna Jarvis, perdeu sua mãe e entrou em completa depressão.
Preocupadas com aquele sofrimento, algumas amigas tiveram a ideia de perpetuar a memória da mãe de Annie com uma festa.
Annie quis que a homenagem fosse estendida a todas as mães, vivas ou mortas. Em pouco tempo, a comemoração e consequentemente o Dia das Mães se alastrou por todos os Estados Unidos e, em 1914,sua data foi oficializada pelo presidente Woodrow Wilson: dia 9 de Maio.
Dados Históricos: A mais antiga comemoração dos dias das mães é mitológica. Na Grécia
antiga, a entrada da primavera era festejada em honra de Rhea, a Mãe dos deuses.
                                                    




O próximo registo está no início do século XVII, quando a Inglaterra
começou a dedicar o quarto domingo da Quaresma às mães das operárias
 inglesas. Nesse dia, as trabalhadoras tinham folga para ficar em casa
com as mães. Era chamado de "Mothering Day", fato que deu origem ao
"mothering cake", um bolo para as mães que tornaria o dia ainda mais
festivo.
 Em Portugal, o Dia da Mãe é celebrado no primeiro domingo de Maio.l

 Fonte: Wikipédia

  Só uma mulher sabe o que é:

O primeiro sutiã, mesmo muito antes de os seios surgirem.
Chorar quando o Rei Leão abandona o filho.
Chorar na entrega do Oscar.
Ser tratada feito idiota por mecânicos de automóveis.
Trocar o OB em banheiro de avião.
Ficar menstruada bem naquele fim-de-semana com ele na praia.
Ser mãe solteira, mãe casada, mãe separada, ser mãe do marido e não ter mãe para deixar os filhos.
Ter uma bolsa que mais parece a nécessaire da avó do McGyver, de tantas coisas inacreditáveis ali acumuladas.
Conseguir lembrar de memória quem casou, separou ou assumiu ser gay.
Depilar a perna de 15 em 15 dias.
Estar com a perna cabeluda, justamente quando ele se anima para certos carinhos.
Assistir um videoteipe de futebol só para acompanhar o gato.
Cortar o cabelo, ficar com cara de cachorrinho e ainda ter que ouvir os outros dizerem: "Mas por que você fez isso?!"
Rasgar a meia na entrada da festa.
Comer uma caixa de bombons porque brigou com o namorado, passar mal e ainda ficar arrasada porque saiu do regime.
Fingir naturalidade durante exames ginecológicos.
Gostar de homem que ronca.
Ter de chamar o porteiro para abrir a garrafa de vinho.
Ficar esperando o marido na cama enquanto ele brinca de autorama.
Sentir-se pronta para enfrentar o mundo quando está usando batom novo.
Nunca saber se é para dividir a conta ou se é para ficar meiguinha.
O poder de uma calça jeans bem cortada ou de um "body' de lycra, pra "rediagramar' a estrutura do corpo.
Para os machos ligados, tá dado o recado...

Fernando Bonas