Poema



      CANÇÃO GRATA

   Por tudo o que me deste:
- Inquietação, cuidado,(um pouco de ternura?
  É certo, mas tão pouco!)
  Noites de insónia, pelas ruas, como um louco...
- Obrigado, obrigado!

Por aquela tão doce e tão breve ilusão,
(Embora nunca mais, depois que a vi desfeita,
Eu volte a ser quem fui), sem ironia: aceita
A minha gratidão!

Que bem me faz, agora, o mal que me fizeste!
- Mais forte, mais sereno, e livre, e descuidado...
Sem ironia, amor: - Obrigado, obrigado
Por tudo o que me deste!

Carlos Queirós
1907-1949

                                
           
                     

       RECUSA

Quando mergulho no lago
Que vejo no teu olhar,
Vou suplicando um afago
Que te recusas a dar.


Percebo angústias passadas
Nesse olhar distante e vago,
E agito as águas paradas
Quando mergulho no lago


Procuro em ti a ternura
Que já deixaste secar
E perco-me na lonjura
Que vejo no teu olhar.


De sempre me olhares sem ver,
A mágoa em meu peito trago.
Antes de tudo perder
Vou suplicando um afago.


Meu coração não se cansa
De tanto te mendigar,
A derradeira esperança
Que te recusas a dar.

(Orlando Fernandes in Fronteiras do Sonho)

Youtube ferochhas 
Amar!
Eu quero amar, amar perdidamente ! 
Amar só por amar:Aqui ...além
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente
Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... pra me encontrar...
Florbela Espanca

Steve Hanks

ALENTEJANOS NO FACEBOOK


JANELAS DA ALMA

Abro as janelas da alma
Entra nela um vento misterioso
Sereno e tranquilo que me acalma
Quieto, deixo entrar nela bandos de aves
Que fazem um elíptico e estranho bailado
Com os seus voos mágicos e suaves
No meu espírito pecador, humano imortalizado
Decido e entrego o meu corpo ao tempo
Espero pela metarmorfose secreta e divina
Sem remorso, sem quaisquer lamento
Porque sei que ela tudo elimina e afina
Temo apenas a tempestade que se aproxima
Trazendo raios que podem cair-me em cima
Com medo chamo por ti! chamo por ti!
Para que me beijes uma última vez
E vejas como decido sair em silêncio daqui
Na tranquilidade da lúcida altivez
Com a saudade apenas da doçura dos teus lábios
Que tu pintaste a rigor mais uma vez
Quero descobrir para mostrar-te o secreto caminho
Que não nos leve para uma direção errada
Escrito e previsto num antigo pergaminho
Que leva o nosso amor e o teu corpo de amada
Para esse mistério que teimamos em conhecer
Sem que nós dois possamos agora fazer nada! Nada!
A não ser! esperar que voltemos a renascer
E mais uma chance nos volte a ser dada
Para que nos voltemos de novo a ter
Deixo aqui no poema a janela da alma aberta
Embriagada numa espiral de prazer
Por acreditar na misteriosa passagem secreta
Que um dia havemos os dois descobrir e conhecer
A beleza de um bailado sagrado e encantador
Que apenas o nosso espírito irá ver
Eu decidi! Não parto sem ti! meu Amor!
E, eu sei, que o querer é poder!

Joaquim Jorge de Oliveira
ÉVORA
17-10-2013
Boa, quinta-feira amigos! Esta humilde inspiração escrita hoje com o título:”JANELAS DA ALMA” é a minha singela partilha poética. Para refletir…espero que gostem!


JANELAS DA ALMA

Abro as janelas da alma
Entra nela um vento misterioso
Sereno e tranquilo que me acalma
Quieto, deixo entrar nela bandos de aves
Que fazem um elíptico e estranho bailado
Com os seus voos mágicos e suaves
No meu espírito pecador, humano imortalizado
Decido e entrego o meu corpo ao tempo
Espero pela metarmorfose secreta e divina
Sem remorso, sem quaisquer lamento
Porque sei que ela tudo elimina e afina
Temo apenas a tempestade que se aproxima
Trazendo raios que podem cair-me em cima
Com medo chamo por ti! chamo por ti!
Para que me beijes uma última vez
E vejas como decido sair em silêncio daqui
Na tranquilidade da lúcida altivez
Com a saudade apenas da doçura dos teus lábios
Que tu pintaste a rigor mais uma vez
Quero descobrir para mostrar-te o secreto caminho
Que não nos leve para uma direção errada
Escrito e previsto num antigo pergaminho
Que leva o nosso amor e o teu corpo de amada
Para esse mistério que teimamos em conhecer
Sem que nós dois possamos agora fazer nada! Nada!
A não ser! esperar que voltemos a renascer
E mais uma chance nos volte a ser dada
Para que nos voltemos de novo a ter
Deixo aqui no poema a janela da alma aberta
Embriagada numa espiral de prazer
Por acreditar na misteriosa passagem secreta
Que um dia havemos os dois descobrir e conhecer
A beleza de um bailado sagrado e encantador
Que apenas o nosso espírito irá ver
Eu decidi! Não parto sem ti! meu Amor!
E, eu sei, que o querer é poder!

Joaquim Jorge de Oliveira
ÉVORA
17-10-2013




Comunidade poemas ,frases, e amor
NO SILÊNCIO

No silêncio escuto tua voz tão linda
No silêncio revejo nossa história...
História escrita no silêncio de minha alma
No silêncio vou te buscar, pego na tua mão
E corremos num campo cheio de flores, pássaros e borboletas
Numa pirueta de muitas cores
Sentamos na grama que será nossa cama...
Te olho nos olhos, te chamo de meu amor
Te dou beijos e acendo os teus desejos
Ficamos assim num longo silêncio...
No silêncio te sinto, te quero, te venero me dou por inteira
No silêncio te espero, pois no silêncio tu sabes o quanto te quero
Vem meu amor que eu te espero!

LáFeOli

Dinheiro



                                                              Dinheiro
História
Reconstituição de antigo processo para cunhagem de moedas.
Inicialmente, o homem comercializava através de simples troca ou escambo.1 A mercadoria era avaliada na quantidade de tempo ou força de trabalho gasta para produzi-la ou até mesmo pela necessidade que o "comprador" tinha por determinada mercadoria. Com a criação da moeda o valor da mercadoria se tornou independente da força de trabalho. Com o surgimento dos bancos apareceu uma nova atividade financeira em que o próprio dinheiro é uma mercadoria.[carece de fontes]
Origem e evolução do dinheiro

Escambo

A moeda, como hoje a conhecemos, é o resultado de uma longa evolução. No início não havia moeda. Praticava-se o escambo, simples troca de mercadoria por mercadoria, sem equivalência de valor.2

Assim, quem pescasse mais peixe do que o necessário para si e seu grupo trocava este excesso com o de outra pessoa que, por exemplo, tivesse plantado e colhido mais milho do que fosse precisar. Esta elementar forma de comércio foi dominante no início da civilização, podendo ser encontrada, ainda hoje, entre povos de economia primitiva, em regiões onde, pelo difícil acesso, há escassez de meio circulante, e até em situações especiais, em que as pessoas envolvidas efetuam permuta de objetos sem a preocupação de sua equivalência de valor. Este é o caso, por exemplo, da criança que troca com o colega um brinquedo caro por outro de menor valor, que deseja muito.

As mercadorias utilizadas para escambo geralmente se apresentam em estado natural, variando conforme as condições de meio ambiente e as atividades desenvolvidas pelo grupo, correspondendo a necessidades fundamentais de seus membros. Nesta forma de troca, no entanto, ocorrem dificuldades, por não haver uma medida comum de valor entre os elementos a serem permutados.

Moeda-mercadoria

Algumas mercadorias, pela sua utilidade, passaram a ser mais procuradas do que outras. Aceites por todos, assumiram a função de moeda, circulando como elemento trocado por outros produtos e servindo para avaliar o seu valor. Eram as moedas–mercadorias.

O gado, principalmente o bovino, foi dos mais utilizados; apresentava vantagens de locomoção própria, reprodução e prestação de serviços, embora ocorresse o risco de doenças e da morte. O sal foi outra moeda–mercadoria; de difícil obtenção, principalmente no interior dos continentes, era muito utilizado na conservação de alimentos. Ambas deixaram marca de sua função como instrumento de troca no nosso vocabulário, pois, até hoje, empregamos palavras como pecúnia (dinheiro) e pecúlio (dinheiro acumulado) derivadas da palavra latina pecus (gado). A palavra capital (patrimônio) vem do latim capita (cabeça). Da mesma forma, a palavra salário (remuneração, normalmente em dinheiro, devida pelo empregador em face do serviço do empregado) tem como origem a utilização do sal, em Roma, para o pagamento de serviços prestados.

No Brasil, entre outras, circularam o cauri – trazido pelo escravo africano –, o pau-brasil, o açúcar, o cacau, o tabaco e o pano, trocado no Maranhão, no século XVII, devido à quase inexistência de numerário, sendo comercializado sob a forma de novelos, meadas e tecidos.

Com o passar do tempo, as mercadorias se tornaram inconvenientes às transações comerciais, devido à oscilação de seu valor, pelo fato de não serem fraccionáveis e por serem facilmente perecíveis, não permitindo o acúmulo de riquezas.

Metal

Quando o homem descobriu o metal, passou a utilizá-lo para fabricar utensílios e armas anteriormente feitos de pedra ou madeira.

Por apresentar vantagens como a possibilidade de entesouramento, divisibilidade, raridade, facilidade de transporte e beleza, o metal foi elegido como principal padrão de valor. Era trocado sob as formas mais diversas. A princípio, em seu estado natural, depois sob a forma de barras e, ainda, sob a forma de objetos, como anéis, braceletes etc. O metal comercializado dessa forma exigia aferição de peso e avaliação de seu grau de pureza a cada troca. Mais tarde, ganhou forma definida e peso determinado, recebendo marca indicativa de valor, que também apontava o responsável pela sua emissão. Essa medida agilizou as transações, dispensando a pesagem e permitindo a imediata identificação da quantidade de metal oferecida para troca.

Moeda em formato de objeto

Os utensílios de metal passaram a ser mercadorias muito apreciadas. Como sua produção exigia, além do domínio das técnicas de fundição, o conhecimento dos locais onde o metal poderia ser encontrado. Essa tarefa, naturalmente, não estava ao alcance de todos. A valorização, cada vez maior, destes instrumentos levou à sua utilização como moeda e ao aparecimento de réplicas de objetos metálicos, em pequenas dimensões, que circulavam como dinheiro. É o caso das moedas faca e chave que eram encontradas no Oriente e do talento, moeda de cobre ou bronze, com o formato de pele de animal, que circulou na Grécia e em Chipre.

Moedas antigas

Surgem, então, no século VII a.C., as primeiras moedas com características das atuais: são pequenas peças de metal com peso e valor definidos e com a impressão do cunho oficial, isto é, a marca de quem as emitiu e garante o seu valor. São cunhadas na Grécia moedas de prata e, na Lídia,3 são utilizados pequenos lingotes ovais de uma liga de ouro e prata chamada electro.

As moedas refletem a mentalidade de um povo e de sua época. Nelas podem ser observados aspectos políticos, econômicos, tecnológicos e culturais. É pelas impressões encontradas nas moedas que conhecemos, hoje, a efígie de personalidades que viveram há muitos séculos. Provavelmente, a primeira figura histórica a ter sua efígie registrada numa moeda foi Alexandre, o Grande, da Macedônia, por volta do ano 330 a.C. No princípio, as peças eram fabricadas por processos manuais muito rudimentares e tinham seus bordos irregulares, não sendo, como hoje, peças absolutamente iguais umas às outras.
Dobra de 8 Escudos.

Ouro, prata e cobre

Os primeiros metais utilizados na cunhagem de moedas foram o ouro e a prata. O emprego destes metais se impôs, não só pela sua raridade, beleza, imunidade à corrosão e valor econômico, mas também por antigos costumes religiosos. Nos primórdios da civilização, os sacerdotes da Babilônia, estudiosos de astronomia, ensinavam ao povo a existência de estreita ligação entre o ouro e o Sol, a prata e a Lua. Isto levou à crença no poder mágico destes metais e no dos objetos com eles confecionados. A cunhagem de moedas em ouro e prata se manteve durante muitos séculos, sendo as peças garantidas por seu valor intrínseco, isto é, pelo valor comercial do metal utilizado na sua confeção. Assim, uma moeda na qual haviam sido utilizados vinte gramas de ouro, era trocada por mercadorias neste mesmo valor. Durante muitos séculos os países cunharam em ouro suas moedas de maior valor, reservando a prata e o cobre para os valores menores. Estes sistemas se mantiveram até ao final do século passado, quando o cuproníquel e, posteriormente, outras ligas metálicas passaram a ser muito empregados, passando a moeda a circular pelo seu valor extrínseco, isto é, pelo valor gravado em sua face, não dependendo do metal nela contido. Com o advento do papel-moeda a cunhagem de moedas metálicas ficou restrita a valores inferiores, necessários para troco. Dentro desta nova função, a durabilidade passou a ser a qualidade mais necessária à moeda. Surgem, em grande diversidade, as ligas modernas, produzidas para suportar a alta rotatividade do numerário de troco.
Primeiro bilhete de banco, emitido pelo Banco do Brasil em 1810.

Papel Moeda

Na Idade Média, surgiu o costume de se guardarem os valores num ourives, pessoa que negociava objetos de ouro e prata. Este, como garantia, entregava um recibo. Com o tempo, esses recibos passaram a ser utilizados para efetuar pagamentos, circulando de mão em mão e dando origem ao papel-moeda.

No Brasil, os primeiros bilhetes de banco, precursores das cédulas atuais, foram lançados pelo Banco do Brasil, em 1810. Tinham seu valor preenchido à mão, tal como, hoje, fazemos com os cheques.

Com o tempo, da mesma forma ocorrida com as moedas, os governos passaram a conduzir a emissão de cédulas, controlando as falsificações e garantindo o poder de pagamento. Atualmente quase todos os países possuem seus bancos centrais, encarregados das emissões de cédulas e moedas. A moeda de papel evoluiu quanto à técnica utilizada na sua impressão. Hoje a confeção de cédulas utiliza papel especialmente preparado e diversos processos de impressão que se complementam, dando ao produto final grande margem de segurança e condições de durabilidade.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Nobel da Paz



Nobel da Paz
O Nobel da Paz é um dos cinco Prémios Nobel,
legado pelo inventor da dinamite,
o sueco Alfred Nobel. Os prémios de Física,
Química, Fisiologia ou Medicina e Literatura
são entregues anualmente em Estocolmo,
sendo o Nobel da Paz atribuído em Oslo.
O Comité Nobel norueguês, cujos membros



são nomeados pelo Parlamento norueguês,
tem a função de escolher o laureado pelo prémio,
que é entregue pelo seu presidente acualmente
o ex-primeiro-ministro, ex-ministro dos negócios
estrangeiros, ex-presidente do Stortinget
(parlamento) e atual Secretário-Geral do
Conselho da Europa Sr. Thorbjørn Jagland.
A sua primeira entrega foi em 1901.

Atualmente há um sexto prémio associado:
o Prémio de Ciências Económicas em Memória
de Alfred Nobel, também atribuído pela
Academia Real das Ciências Sueca.
Este prémio foi instituído em 1968,
comemorando o terceiro centenário
do Banco Central da Suécia (Sveriges Riksbank).

Na altura da morte de Alfred Nobel,
a Suécia e a Noruega estavam em
União desde 14 de janeiro de 1814,
pela qual o parlamento sueco ficava
responsável pela política internacional,
estando o Stortinget (Parlamento norueguês)
apenas encarregado da política interna
norueguesa. (A União desfez-se de uma
forma pacífica a 13 de Agosto de 1905).
Alfred Nobel decidiu, assim, que fosse a
Noruega a decidir o laureado pelo
Nobel da Paz, de forma a prevenir a
influência de poderes políticos
internacionais no processo de
atribuição do Nobel.

De acordo com a vontade de Alfred Nobel,
o prémio deveria distinguir
"a pessoa que tivesse feito a maior
ou melhor ação pela fraternidade entre
as nações, pela abolição e redução dos
esforços de guerra e pela manutenção
e promoção de tratados de paz".

Ao contrário dos outros prémios Nobel,
o Nobel da Paz pode ser atribuído
a pessoas ou organizações que estejam
envolvidas num processo de resolução
de problemas, em vez de apenas distinguir
aqueles que já atingiram os seus objetivos
em alguma área específica. É, portanto,
um prémio Nobel com características próprias.

Nobel da Paz
Descrição - Pessoas que contribuíram
com a manutenção na Paz no mundo.
Apresentador(es) Fundação Nobel
País - Noruega
Local - Oslo
Primeira cerimónia     1901
Última cerimónia     2012
Detentor     União Europeia


Wiquipedia

ThePianoGuys Live at Red Butte Garden - Beethoven's 5 Secrets (Cell/Orch...

POR QUE OS ALIMENTOS SALGADOS PROVOCAM SEDE?

   

POR QUE OS ALIMENTOS SALGADOS PROVOCAM SEDE?

Quando as proporções de sal no organismo são demasiadamente altas, a parte do cérebro que controla essa atividade envia mensagens do seu ”centro de sede”, provocando a necessidade de beber. É um reflexo que os donos de bar conhecem muito bem; por isso, vendem também amendoim salgado e batata frita.

Na realidade, esse mecanismo é muito importante para informar o cérebro de que não existe água suficiente no corpo, pois, quando os níveis dos fluidos são baixos, os sais solúveis ficam muito mais concentrados, estimulando assim o cérebro a ingerir mais água.

Do mesmo modo que provoca a sede, o cérebro também ajusta a função dos rins através da secreção do hormônio chamado HAD (hormônio antidiurético). Normalmente, uma grande quantidade de água que transporta os detritos é reabsorvida pela corrente sanguínea através dos rins. Se as proporções de água no resto do corpo forem muito baixas, o cérebro exigirá que os rins absorvam mais água do que o normal, fazendo com que a urina se torne mais concentrada.

Quando existe uma quantidade excessiva de sal no organismo, a reação do organismo é livrar-se dele, e para isso ele precisa de água. É por isso que a água do mar não mata a sede. Embora ela contenha água a porcentagem de sal é tão alta que se torna necessário beber mais água para eliminar o sal ingerido da primeira vez.

Desde que se beba água suficiente para compensar as perdas ao eliminar o sal, comer amendoim salgado e coisas semelhantes não causa desidratação; entretanto, beber álcool ao mesmo tempo não resolve o problema.

Nasceste antes de 1986?



Nasceste antes de 1986?
Então lê isto...
Esta merece!!!!
Deliciem-se...
Nascidos antes de 1986.
De acordo com os reguladores e burocratas de hoje, todos nós que nascemos
nos anos 40, 50, 60, 70 e princípios de 80,
não devíamos ter sobrevivido até hoje, porque as nossas caminhas de bebé
eram pintadas com cores bonitas,
em tinta à base de chumbo que nós muitas vezes lambíamos e mordíamos.
Não tínhamos frascos de medicamentos com tampas à prova de crianças, ou
fechos nos armários e podíamos brincar com as panelas.
Quando andávamos de bicicleta, não usávamos capacetes.
Quando éramos pequenos viajávamos em carros sem cintos e airbags, viajar á
frente era um bónus.
Bebíamos água da mangueira do jardim e não da garrafa e sabia bem.
Comíamos batatas fritas, pão com manteiga e bebíamos gasosa com açúcar,
mas nunca engordávamos porque estávamos sempre a brincar lá fora.
Partilhávamos garrafas e copos com os amigos e nunca morremos disso.
Passávamos horas a fazer carrinhos de rolamentos e depois andávamos a
grande velocidade pelo monte abaixo, para só depois nos lembrarmos que
 esquecemos de montar uns travões.
Depois de acabarmos num silvado, aprendíamos.
Saíamos de casa de manhã e brincávamos o dia todo, desde que estivéssemos
em casa antes de escurecer.
Estávamos incontactáveis e ninguém se importava com isso.
Não tínhamos Play Station, X Box..
Nada de 40 canais de televisão, filmes de vídeo, home cinema, telemóveis,
computadores, DVD, Chat na Internet.
Tínhamos amigos : se os quiséssemos encontrar, íamos á rua.
Jogávamos ao elástico e à barra e a bola até doía!
Caíamos das árvores, cortávamo-nos, e até partíamos ossos mas sempre sem
processos em tribunal.
Havia lutas com punhos mas sem sermos processados.
Batíamos ás portas de vizinhos e fugíamos e tínhamos mesmo medo de sermos
apanhados.
Íamos a pé para casa dos amigos.
Acreditem ou não, íamos a pé para a escola;
Não esperávamos que a mamã ou o papá nos levassem.
Criávamos jogos com paus e bolas.
Se infringíssemos a lei era impensável os nossos pais nos safarem.
Eles estavam do lado da lei.
Esta geração produziu os melhores inventores e desenrascados de sempre.
Os últimos 50 anos têm sido uma explosão de inovação e ideias novas.
Tínhamos liberdade, fracasso, sucesso e responsabilidade e aprendemos a
lidar com tudo.
És um deles?

Parabéns!
Para todos os outros que não têm a idade suficiente, pensei que gostassem
de ler acerca de nós.Isto, meus amigos é surpreendentemente medonho...
E talvez ponha um
sorriso nos vossos lábios.
A maioria dos estudantes que estão hoje nas universidades nasceu em 1986,
ou depois. Chamam-se jovens.
Nunca ouviram 'we are the world.
Nunca ouviram falar de Rick Astley, Banarama ou Belinda Carlisle.
Para eles sempre houve uma só Alemanha e um só Vietname.
A SIDA sempre existiu.
Os CD's sempre existiram.
O Michael Jackson sempre foi branco.
Para eles o John Travolta sempre foi redondo e não conseguem imaginar que
aquele gordo tivesse sido um deus da dança.
Acreditam que Missão impossível e Anjos de Charlie, são filmes do ano
passado.
Não conseguem imaginar a vida sem computadores.
Não acreditam que houve televisão a preto e branco.

Agora vamos ver se estamos a ficar velhos:
1. Entendes o que está escrito acima e sorris.
2. Precisas de dormir mais depois de uma noitada.
3. Os teus amigos estão casados ou a casar.
4. Surpreende-te ver crianças tão á vontade com computadores.
5. Abanas a cabeça ao ver adolescentes com telemóveis.
6. Lembras-te da Gabriela (a primeira telenovela).
7. Encontras amigos e falas dos bons velhos tempos.
SIM ESTÁS A FICAR VELHO (heheheh) ,
Mas tivemos uma infância do caraças !!!
Esta mascarada enorme
com que o mundo nos aldraba,
dura enquanto o povo dorme,
quando ele acordar, acaba
António Aleixo

O VALOR DE UMA DONA DE CASA

  O VALOR DE UMA DONA DE CASA

Após o trabalho, o homem chegou a casa e encontrou os seus três
 > filhos brincando no quintal, ainda de pijama, sujos de terra e
 > cercados por embalagens vazias de comida do supermercado.
 > A porta do carro da esposa estava aberta.
> A porta da frente da casa também.
 > O cachorro tinha desaparecido, não veio recebê-lo.
 > Enquanto entrava em casa, ia descobrindo mais e mais bagunça.
> A lâmpada da sala fundida, o tapete enrolado e encostado à parede.
 > Na sala de estar: a televisão ligada, aos berros, num desenho
 > animado qualquer, e o chão atulhado de brinquedos e roupas.
 > Na cozinha: o lava-loiça cheio de pratos, a cafeteira do
 > pequeno-almoço na mesa, o frigorífico aberto, a comida do cachorro
 > espalhada pelo chão e até um copo quebrado em cima do balcão.
 > Sem contar com um montinho de areia junto à porta.
 > Assustado, desviando-se dos brinquedos e das peças de roupa, subiu
> as escadas a correr interrogando-se...
 > Será que a minha mulher está mal?'
 > Será que alguma coisa de grave aconteceu?'
 > A casa de banho escancarada.
 > Encontrou mais brinquedos no chão, toalhas ensopadas, sabonete
 > líquido por toda a parte e muito papel higiénico na sanita.
> A pasta de dentes tinha ficado aberta e a banheira transbordava de
 > água e espuma.
> Finalmente, ao entrar no quarto, encontrou a mulher, ainda de
 > pijama, a ler uma revista na cama.
 > Olhou para ela completamente confuso e perguntou:
 > Que diabo aconteceu aqui em casa?'
 > Porquê toda essa bagunça?'
 > Ela sorriu e disse:
 > - Todos os dias, quando chegas do trabalho, perguntas-me:
 > - Afinal de contas, o que é que fizeste o dia inteiro em casa?'
> -Bem... Hoje não fiz nada, FOFO' !


O meu nome é MULHER!

 > No princípio era a Eva
 > Criada para a felicidade de Adão
 > Mais tarde fui Maria
 > Dando à luz Aquele
 > Que traria a Salvação
 > Mas isso não basta
 > Para eu encontrar perdão
 > Passei a ser Amélia
 > A mulher de verdade
 > Para a sociedade
> Não tinha a menor vaidade
 > Mas sonhava com a igualdade.
 > Muito tempo depois, decidi:
 > Não dá mais!
 > Quero a minha dignidade.
 > Tenho os meus ideais!
 > Hoje, não sou só esposa ou filha
 > Sou pai, mãe, arrimo de família
 > Sou caminheira, taxista,
 > Piloto de avião, policial feminina,
 >Operária em construção...
 > Ao mundo peço licença
 > Para actuar onde quiser
> Meu sobrenome é COMPETÊNCIA
>  E meu nome é MULHER!

 > (O Autor é Desconhecido,
 mas um verdadeiro sábio...)


 POSSO TER Um cancro

AGORA? O QUE DEVO FAZER?


No dia da entrega dos exames, devo levar alguém
comigo à consulta?
É sempre útil levar consigo alguém que lhe seja próximo:
no caso de receber uma má notícia, essa pessoa mais
facilmente conseguirá manter a presença de espírito,
 poderá lembrar-se de todas as perguntas que quer fazer ao
médico e terá mais facilidade em memorizar as explicações
 e indicações do médico e restantes profissionais de
saúde envolvidos (enfermeiros, farmacêuticos, ...)

1-No dia da entrega dos exames, devo levar alguém
comigo à consulta?
É sempre útil levar consigo alguém que lhe seja próximo:
 no caso de receber uma má notícia, essa pessoa mais
facilmente conseguirá manter a presença de espírito, poderá
 lembrar-se de todas as perguntas que quer fazer ao
médico e terá mais facilidade em memorizar as explicações e
 indicações do médico e restantes profissionais de
saúde envolvidos (enfermeiros, farmacêuticos, ...).

2- O que não posso esquecer de perguntar ao médico,
depois do diagnóstico?
Deve perguntar ao seu médico tudo o que está relacionado
 com a doença – tanto em termos físicos, psicológicos e
sociais, como familiares e laborais (relacionados com o seu trabalho).
Não se esqueça de perguntar quais as alternativas de tratamento
 de que dispõe, bem como as respectivas vantagens e desvantagens.
 Para não se esquecer das respostas, e se não levar alguém consigo
 que possa ajudar, leve um bloco e tome notas

3-Devo perguntar logo ao médico qual o meu
prognóstico?
O médico tem obrigação de explicar o que se passa consigo,
 tendo em conta os seus “limites” individuais e a sua
preparação emocional. Se não se sentir preparado para ouvir
 o pior cenário possível, não pergunte, e espere que o
médico o diga, quando considerar adequado.

4-Devo pedir uma segunda opinião?
Deve: é um direito seu. Não se preocupe em poder melindrar o seu médico.
 Pedir uma segunda opinião irá permite-lhe sentir-se mais seguro,
 em relação ao diagnóstico, ao prognóstico e às alternativas de tratamento, para poder
avaliar os riscos envolvidos e tomar uma decisão consciente. Se as opiniões dos dois médicos forem contraditórias,
confronte-as e peça aos médicos para dialogarem (o que, hoje em dia, é fácil fazer através de e-mail). Se ainda tiver
dúvidas, procure uma terceira opinião. Não fique com dúvidas por esclarecer! Em todo este processo, é crucial ter
confiança no seu médico e estabelecer uma verdadeira parceria... médico-doente!

5-Será o meu médico a pessoa indicada para me tratar, ou
devo recorrer a um especialista?
Coloque essa questão ao seu médico. Em princípio, será o próprio médico a ter a iniciativa de o encaminhar para um colega da especialidade.

6-Devo optar pelo sistema público ou privado?
Para tomar essa decisão, vai ter de ponderar diversos factores, relacionados com a organização e burocracia das diferentes opções, bem como factores clínicos (médicos) e financeiros. Um hospital privado oferece, claramente, mais conforto e, o tempo de espera por uma consulta, é muito menor. Além disso, estão muitas vezes mais bem equipados. Mas, para tal, é preciso ter recursos financeiros próprios ou um seguro de saúde que “cubra” as despesas que poderá vir a ter. Fale com o seu médico sobre as diferentes possibilidades.

Qual a melhor forma de estar informado sobre a
minha doença?
Atenção à Internet! Pode encontrar facilmente muita informação... mas que pode ser informação menos correcta ou
mesmo errada. Opte por sites confiáveis, como este, que é escrito e “alimentado” por médicos credíveis e com grande experiência no diagnóstico e tratamento do cancro. Pode, também, dirigir-se a diferentes associações de doentes, ou ainda a associações de profissionais de saúde que, normalmente, têm muita informação disponível.
http://www.pop.eu.com/

  Gamapatias Monoclonais

As Gamapatias Monoclonais constituem um grupo de
doenças caracterizadas pela proliferação de um só clone
 de Linfócitos B, que produz imunoglobulinas monoclonais
 ou um fragmento da munoglobulina.
.Estas patologias podem constituir situações benignas ou
malignas. Os indivíduos com picos monoclonais de imuno
globulinas ou dos seus fragmentos, mesmo que benignos,
 têm um risco mais elevado de desenvolverem
Mieloma Múltiplo.

  O mieloma múltiplo    

http://www.pop.eu.com/portal/publico-geral/tipos-de-cancro/Mieloma-Multiplo/mieloma-multiplo-1.html 

















Diagnóstico


 O resultado de um único exame não é suficiente para diagnosticar o mieloma múltiplo O diagnóstico é baseado numa combinação de fatores, incluindo descrição dos sintomas pelo paciente, exame físico realizado por um médico e resultados dos exames de sangue e de imagem. O diagnóstico do mieloma múltiplo requer pelo menos uma das opções:
  • Um tumor de células plasmáticas (comprovada por biópsia).
  • Pelo menos 10% das células da medula óssea sejam células plasmáticas.
E pelo menos uma das seguintes condições, com o nível especificado:
  • Proteína M no sangue (3g/dl).
  • Proteína M na urina (1g/dL).
  • Lesões nos ossos devido ao crescimento do tumor, detectados nos exames de imagem.
Mieloma Assintomático ou Mieloma Smoldering

Este termo é usado para o mieloma em estágio inicial, que não está causando nenhum sintoma ou problema. As pessoas com mieloma latente apresentam hemogramas normais, níveis normais de cálcio, função renal normal, sem danos aparente nos ossos ou órgãos.
Clique abaixo nos itens para ver como funcionam os exames:



Hepatite
O que é uma Hepatite

A hepatite é uma inflamação no fígado que, dependendo do agente que a provoca, se pode curar apenas com repouso, requerer tratamentos prolongados, ou mesmo um transplante de fígado quando se desenvolvem complicações graves da cirrose como a falência hepática, ou o cancro no fígado, que podem levar à morte. As hepatites podem ser provocadas por bactérias, por vírus, e também pelo consumo de produtos tóxicos como o álcool, medicamentos e algumas plantas. Existem seis tipos diferentes de vírus da hepatite (Hepatite A, Hepatite B, Hepatite C, Hepatite D, Hepatite E e Hepatite G). Existem ainda as hepatites auto-imunes resultantes de uma perturbação do sistema imunitário que, sem que se saiba porquê, começa a desenvolver auto-anticorpos que atacam as células do fígado, em vez de as protegerem. Os sintomas são pouco específicos, semelhantes aos de uma hepatite aguda, podendo, nas mulheres, causar alterações no ciclo menstrual. Esta hepatite, ao contrário da hepatite vírica, atinge sobretudo as mulheres, entre os 20 e os 30 anos e entre os 40 e os 60, geralmente transforma-se numa doença crónica e evolui quase sempre, quando não é tratada, para a cirrose.

Cada uma destas patologias implica sempre uma consulta médica e um acompanhamento adequado. Em muitos casos, ter hepatite não chega a ser uma verdadeira «dor de cabeça», já que o organismo possui defesas imunitárias que, em presença do vírus, reagem produzindo anticorpos, uma espécie de soldados que lutam contra os agentes infecciosos e os aniquilam. Mas, em algumas situações, estes anticorpos não são suficientes para travar a força do invasor e, então, é necessário recorrer a tratamentos antiviricos.

Embora haja ainda muito a estudar nesta área, a investigação científica tem percorrido um bom caminho na luta contra a doença, tendo já conseguido elaborar vacinas contra as hepatites A e B, (que permitiram reduzir consideravelmente a sua propagação) e descobrir substâncias (como os interferões) que podem travar a multiplicação do vírus e constituir uma esperança de prolongamento da vida para muitos doentes. Estes tratamentos, contudo, são dispendiosos e nem sempre estão disponíveis nos países em desenvolvimento, que são as zonas mais afectadas.

Os vírus da hepatite podem ser transmitidos através da água e de alimentos contaminados com matérias fecais (A e E), pelo contacto com sangue contaminado (B, C, D e G) e por via sexual (B, C e D). Os vírus têm períodos de incubação diferentes e, em muitos casos, os doentes não apresentam sintomas. As hepatites A e E não se tornam crónicas, enquanto a passagem à situação da cronicidade é bastante elevada na hepatite C e comum nas hepatites B, D e G, embora esta última doença não apresente muita gravidade.
Ao contrário de outras doenças, os doentes com hepatite crónica podem ter um quotidiano muito próximo do normal, não sendo necessário ficarem ficar inactivos, isolados dos demais ou cumprir dietas rígidas, mas devem conhecer as suas limitações e aprender a viver com a hepatite.


Viver com Hepatite

O fígado é um dos mais importantes órgãos do corpo humano e quando está lesionado perturba todo o funcionamento do organismo, contudo, os doentes com hepatite crónica podem usufruir de uma vida muito próxima do normal. Desde que tenham em conta algumas regras essenciais, estes doentes não têm de ficar presos a uma vida de dietas rígidas, de pôr de lado projectos de viagens e passeios ou de dizer não a um relacionamento sexual, mas é imprescindível que cada um conheça as suas limitações e adopte comportamentos que não agridam o fígado.

É aconselhável falar com o seu médico sobre os hábitos alimentares mais adequados bem como quanto ao uso regular ou esporádico de medicamentos para tratamento de outras patologias. Pode ainda aconselhar-se relativamente à realização de algumas actividades físicas e desportivas e a outros aspectos do dia-a-dia. Após esta conversa estará seguramente mais capaz de "julgar" alguns mitos da sabedoria popular que proíbem um sem número de alimentos e de actividades aos doentes hepáticos.


Como se Alimentar?

Não é preciso seguir regimes dietéticos especiais nem é conveniente eliminar alguns grupos de alimentos sob pena de desequilibrar o organismo, deixando-o com carências proteicas e vitamínicas agravando assim a sensação de cansaço. No entanto, há casos em que podem estar indicados alguns cuidados adicionais pelo que é sempre útil aconselhar-se com o seu médico.

Por exemplo, os doentes em fase mais avançada da doença como seja a cirrose hepática, poderão ter que cumprir uma dieta com restrição de sal.

O ideal é seguir uma dieta equilibrada que contemple todos os componentes da pirâmide alimentar. Não é necessário, por exemplo, eliminar as gorduras, mas podem evitar-se os fritos e substituir as gorduras animais por óleo de girassol, soja ou azeite. Também deverá saber que não existem chás ou águas minerais com poderes milagrosos sobre o fígado.

Os doentes podem tomar café, mas o consumo de álcool é desaconselhado (e está proibido durante a fase de tratamento) dado, que pode favorecer a replicação do vírus e aumentar o risco de cirrose e cancro do fígado.


Como se Movimentar?

A hepatite é geralmente acompanhada por uma sensação de fadiga intensa, mas os doentes com infecção crónica não deverão ceder a este sintoma. Para lutar contra o cansaço, sugerem-se alguns conselhos: é necessário fazer uma alimentação equilibrada, beber água regularmente, dormir bem e preencher o quotidiano e os tempos livres com actividades e projectos estimulantes.

Se em caso de hepatite aguda o repouso é recomendado, na hepatite crónica aconselha-se a prática de algum exercício físico. Além de aumentar o afluxo sanguíneo ao fígado, o exercício tem ainda a vantagem de estimular a produção de colesterol HDL (o chamado "bom" colesterol) e de eliminar os excessos de colesterol LDL (o chamado "mau" colesterol). Para desportos radicais ou mais violentos, é melhor ouvir o conselho do médico.


Como Viajar?

Em caso de hepatite aguda, o melhor é adiar a viagem para mais tarde pois o tratamento exige muito repouso. Na hepatite crónica não é aconselhável a permanência em casa nem deve abdicar de passeios que planeou fazer. As viagens são possíveis e também se aplica o princípio de necessidade de equilíbrio e bom senso, de controlo e atenção aos factores que possam ser prejudiciais ao fígado.

Durante as viagens, sobretudo se o destino for um país em desenvolvimento, com clima quente e condições de saneamento básico duvidosas, deve evitar beber água e gelo de origem desconhecida, ter atenção à preparação das refeições e não ingerir alimentos que possam ter sido mal lavados ou mal cozinhados, já que estes podem ser transmissores dos vírus das hepatites A e E. Os especialistas aconselham, também, a vacinação contra as hepatites A e B, principalmente, quando se viaja para zonas endémicas e se nunca se teve contacto com os vírus que as provocam.

Desde que se tenham estes cuidados, todo e qualquer país do planeta está ao alcance dos doentes com hepatite.



Como gerir a vida sexual?

Não existem impedimentos para um doente com hepatite crónica ter uma vida sexual activa, mas devem ser tomadas precauções para não contaminar o parceiro, com destaque para o uso do preservativo que previne também outras doenças sexualmente transmissíveis. Os contraceptivos orais não estão contra-indicados em doentes com hepatite crónica vírica.

No caso das hepatites B e D, os parceiros sexuais devem ser vacinados contra a hepatite B. Em relação à hepatite C, embora o risco de contágio seja diminuto, é aconselhável usar o preservativo durante o período menstrual. O mesmo se passa com os portadores do vírus da hepatite G, embora não esteja provado que este vírus possa ser transmitido por via sexual. No que respeita à hepatite A, os casos de contágio sexual são raros, na hepatite E não estão provados, mas deve evitar-se o sexo oro-anal.

Por vezes, a insuficiência hepatocelular pode originar impotência e esterilidade. Nas situações de cirrose complicada com insuficiência hepática, os homens podem sofrer hipertrofia das mamas, diminuição (atrofia) dos testículos ou perda dos pelos púbicos e as mulheres podem deixar de ter menstruação.



Como Gerir a gravidez?

A descoberta de hepatite durante a gravidez implica, tal como nos restantes casos, o seu tratamento. Deve verificar-se se ocorreu a cura espontânea e se a doença não evoluiu para o estadio crónico. Os riscos para o feto são, em geral, limitados, pois a maioria dos vírus da hepatite não atravessa a barreira placentária, e não existem riscos de malformações nem de parto prematuro. Mas há excepções. Sem que se saiba bem porquê, o vírus da hepatite E quando contraído pela mãe durante o terceiro trimestre de gestação, pode provocar hepatite fulminante e é responsável por uma taxa de mortalidade que ronda os 20 por cento.

Quando a mãe é portadora do vírus da hepatite B, a criança é vacinada à nascença, podendo depois ser alimentada com o leite materno. Nos casos de hepatite C e G crónicas, não são conhecidos, até agora, riscos no aleitamento, excepto se existirem cortes ou feridas nos mamilos e na boca do bebé.

Em estádios avançados da doença, a possibilidade de engravidar é pequena, mas possível.


Como Conviver?

Quando um dos elementos da família tem hepatite A ou E, os membros da família devem ter cuidados de higiene redobrados: não partilhar loiça e talheres com o doente, desinfectar os sanitários com lixívia e lavar sempre as mãos depois de contactar com a pessoa infectada ou com os seus objectos. Nos casos de hepatite B aguda, raramente é necessário tomar qualquer medida em relação ao agregado familiar.

Nos casos de hepatite B crónica, o parceiro sexual deve ser vacinado e se o portador for uma criança os irmãos devem fazer a vacina. O mesmo acontece para a hepatite D. Estando toda a família vacinada, não é necessário tomar outras precauções.

Em relação às hepatites C e G, a prevenção passa por não partilhar objectos que estiveram em contacto com o sangue do doente. Na hepatite auto-imune não são necessárias quaisquer precauções no convívio com os doentes pois trata-se de uma doença não transmissível.
ROCHE HEPATITES


 Hepatite A

O Vírus

A sua denominação é VHA - Vírus da Hepatite A - tem uma dimensão de 27 nm, é da família dos picornavírus, tal como o vírus da poliomielite.

O seu genoma é constituído por ARN, positivo e monocatenário. Encontra-se por todo o mundo, especialmente em lugares onde as condições de higiene são escassas. Espalha-se através do contacto directo ou indirecto com material fecal e encontra-se nas fezes da pessoa infectada (foi por essa via que acabou por ser identificado, pela primeira vez, em 1975) duas a três semanas antes de os sintomas se declararem e durante os primeiros oito dias em que a doença permanece activa.

Este vírus é muito infeccioso e é a causa mais frequente de hepatite aguda (mais de 50 por cento dos casos), apesar da sua presença no sangue ser diminuta e de curta duração. Uma pessoa que não tenha anticorpos, adquiridos quando teve a hepatite A ou através da vacina, pode ser infectada e transmitir a doença a outros, mas o risco é pequeno no contacto ocasional.

O chamado período de incubação, que é maior nas crianças do que nos adultos, dura entre 20 a 40 dias, espaço de tempo em que não se revelam quaisquer sintomas. A infecção pode durar seis meses, mas a maioria dos doentes recupera ao fim de três semanas.

Laparoscopia

Laparoscopia é um procedimento cirúrgico minimamente invasivo realizado sob efeito de anestesia. É um método consagrado para retirada da vesícula biliar. Também é utilizada largamente em cirurgias ginecológicas e urológicas.

O médico faz uma pequena incisão no umbigo e introduz um dispositivo fino chamado laparoscópio - Um instrumento de fibra óptica que permite realizar procedimentos diagnósticos e terapêuticos, daí o nome do exame, na forma de um procedimento cirúrgico através da qual pode-se visualizar os órgãos internos dentro do abdômen e pelve, observando se há inchaço e inflamação das trompas e ovários.

Esta técnica também é utilizada em outros tipos de cirurgias, nomeadamente em operações de articulação quando recebe o nome de artroscopia. Uma aplicação bastante comum é a cirurgia de menisco, com a grande vantagem do tempo de recuperação ser muito inferior quando comparado com o método de exposição completa do joelho, bem como o pós-operatório, sendo possível andar logo no dia seguinte à intervenção.

A maior desvantagem é a dor e a distensão abdominal, cicatrizes permanentes, hemorragia vaginal, infecções, abcessos, hematomas, peritonites, enfisemas.

Pode haver um certo risco quando há doenças cardíacas ou respiratórias, obesidade, hérnia diafragmática, gravidez, doença inflamatória pélvica ou seu antecedente - (pela possibilidade de reativá-la), cicatrizes abdominais extensas, ou múltiplas, ou próximas ao área umbilical e cirurgia abdominal prévia.

Atualmente há exames mais seguros como a Ecografia Ginecológica C.A.D em Cor
Wikipedia

 Videolaparoscopia

Videolaparoscopia é uma técnica cirúrgica minimamente invasiva1 realizada por auxílio de uma endocâmera no abdômen. Para criar o espaço necessário as manobras cirúrgicas e adequada visualização das vísceras abdominais a cavidade peritonial é insuflada com gás carbônico.

O instrumental cirúrgico e a endocâmera entram na cavidade através de trocaters, que são como tubos com válvulas para permitir a entrada de CO2 e dos instrumentos sem a saída de gás, que são introduzidos através de pequenas incisões na pele (i.e. 5 a 14 mm).

O pneumoperitônio é realizado de forma aberta ou fechada. Na forma aberta é realizada uma minilaparotomia e o trocar é inserido diretamente, sob visão direta na cavidade. Na forma fechada é realizada uma punção com uma agulha especial (agulha de Veress) e após ser atingido o nível pressórico desejado é inserido um trocar com um mandril (tipo de punção afiado que preenche o trocar) às cegas na cavidade. Após a introdução do primeiro portal é inserida a endocâmera, a cavidade é inspecionada e são inseridos demais portais de acordo com a necessidade, de acordo com o procedimento a ser realizado. Ao final da operação são retirados os trocartes e as incisões são fechadas.

A técnica de videoendoscopia também pode ser realizada em outros compartimentos como no tórax (videotoracoscopia), no pescoço, na face (em procedimentos de cirurgia plástica), vias urinárias e articulações. Nas artroscopias (videoendoscopia de articulações) e endoscopia urinárias não é utilizado o gás carbônico para se criar espaço de trabalho e sim água destilada.

WIKIPEDIA

Sobre prémio DARDOS

        
        PRÉMIO DARDOS - premio sem medalhas

 E o que é o Prémio Dardos?
O Prémio Dardos foi criado pelo escritor espanhol Alberto Zambade que, em 2008, concedeu no seu blog Leyendas de “El Pequeño Dardo”o primeiro Prémio Dardo a quinze blogs selecionados por ele. Ao divulgar o prémio, Zambade solicitou aos blogs premiados que também indicassem outros blogs ou sites considerados merecedores do prémio. Assim a premiação se espalhou pela Internet.
Segundo o seu criador, o Prémio Dardo destina-se a “reconhecer os valores demonstrados por cada blogueiro diariamente durante seu empenho na transmissão de valores culturais, éticos, literários, pessoais etc., demonstrando, em suma, a sua criatividade por meio do seu pensamento vivo que permanece inato entre as suas palavras”.
As regras do prémio estabelecem que os indicados, depois de dizerem quem os presenteou, poderão exibir no seu blog/site o selo do prémio e deverão indicar outros dez blogs ou sites que preencham os requisitos acima para o recebimento do prémio.
Tendo referido quem me presenteou, e exibido o meu prémio, é com certo pesar que tenho que fazer opções, o que até me provoca certo constrangimento, dado que são tantos os blogues que acho extraordinários. E não cheguei a perceber quanto blogues tinha que escolher. Se num sítios diziam que eram dois, em outros diziam 10, 15 ou até 20!
Mas tenham paciência eu até tentava ficar aqui acordada a lembrar-me de todos mas o meu tento não ia conseguir!! É que eu tenho que MESMO que ir dormir... Como tal fico-me pelo número redondinho 10. Peço desculpa a todos os outros que eu não referi, mas esses têm uma menção honrosa. Ok?

 Blog Escritos Lisérgicos

Jo�o Villaret

                   

 CLICAR
 http://jvillaret.com.sapo.pt/

Poesias e Prosas - Sophia de Mello Breyner Andresen

 http://poesiaseprosas.no.sapo.pt/sophia_m_b_andresen/poetas_sophiambandresen01.htm

Poesias do Poeta Cigano



         CLICAR
 http://carlosrimolo.blogspot.pt/


Instituto Português de Oncologia de Francisco Gentil


 CLICAR
https://mail.google.com/mail/u/0/?shva=1#inbox/13ec7a68490795f8

Poesias de Maria Luisa Adães

                                                                 POESIA
              

                                               http://os7degraus.blogspot.pt/